Juntar tantos talentos da música eletrônica não é uma tarefa fácil, ainda mais nomes conceituados e com anos de experiência de pista. Completando seis anos em 2017, a D.Agency sempre apostou em situações contra o “hype” do mercado, e que depois de um tempo ganharam espaço, reconhecimento e respeito do mercado como um todo.

A agência se destaca com sua personalidade bem resolvida, tanto que nesse ano foi indicada na categoria Agência do Ano no VI Prêmio RMC. Os artistas Ney Faustini, BLANCAh também foram indicados, ele na categoria DJ Undergorund e ela nas categorias DJ Underground e Produtor/Remixer.

A plataforma por trás da agência também conta com os clubs D.EDGE e D.EDGE Rio, eventos externos, labels parties, showcases, tour D.EDGE, estúdio Bossa e selos D.EDGE Records/OLGA. É com esse background que a D.Agency se propõe a desenvolver a carreira de seus DJs, tanto nacionalmente quanto no exterior.

Para entender melhor o trabalho da D.Agency, entrevistamos Stéfano Cachiello, gerente comercial, que nos contou, além de outras coisas, como a agência se consolidou e os planos para o futuro. Confira:


stefano


Quais as principais características que vocês procuram em um artista para fazer parte do casting da D.Agency?

A D.Agency está sempre em busca de artistas que se enquadrem na proposta da marca-mãe que é o D.EDGE, ou seja, profissionais que vão além, que tenham muita personalidade artística, um conceito similar ao nosso e, o mais importante, que sejam muito realistas com sua identidade, pois nem sempre o tipo de música que acreditamos e apresentamos ao mercado é acessível em um primeiro momento.


Como vocês veem a cena eletrônica brasileira atual quando falamos de artistas, festas e festivais?

A cena eletrônica vem se desenvolvendo de forma muito produtiva em todos esses sentidos, seja na parte internacional, com a entrada de grandes festivais/labels no Brasil, quanto na quantidade de artistas de fora que vêm fazer parte do nosso contexto através da curadoria de clubs e eventos. Alguns exemplos, além do D-Edge, são Warung – que também promove o Warung Day Festival – Beehive (RS), Club Vibe (PR), Levels (RS), Sunset Sessions (RS), Colours (RS), Chakra (SC), Club 88 (Campinas/SP), 5uinto (Brasília), Noon (RJ), entre muitos outros que poderia citar aqui. A parte nacional está amadurecendo ano após ano, com ótimos profissionais nos bastidores e muitos produtores/artistas demonstrando muita consistência e personalidade para fazer diferente. Todo esse conjunto coloca o Brasil como uma das principais potências no mercado global.


Como a agência está atuando no mercado internacional?

A D.Agency tem tido um ótimo aproveitamento no mercado internacional em relação à nossa curadoria de bookings e projetos, com muito respaldo e confiança de artistas e parceiros. Em 2016, realizamos mais de 70 tours internacionais, gerando mais de 200 datas e trazendo nomes como Grace Jones, UR, Richie Hawtin, Seth Troxler, Martinez Brothers, ZIP, Soul Capsule e Akufen, entre muitos outros. Esse tipo de retrospecto também é o que tem dado bastante confiança aos nossos clientes, pois conseguimos entregar uma situação bem peculiar.


Quais os planos da agência para o futuro?

Hoje tudo está mais dinâmico com o acesso à informação e, por conta disso, o nosso desafio é diário para sempre estarmos trazendo novos conceitos e novidades para nossa plataforma e também de entrega para o mercado. Não temos um plano exato, mas sim uma convicção de continuar investindo em todo esse contexto que foi falado acima na parte cultural, trazendo situações novas também na parte digital que hoje é essencial para qualquer marca se comunicar de forma assertiva com seu público-alvo.


jodebruna